Dia da escrita à mão

Dia da escrita à mão

Mariana Braga
2018-01-23
Escrever à mão desperta a parte criativa, impulsiona o pensamento e cultiva uma identidade ao texto impossível de desenvolver quando estamos em frente a um computador.

Num mundo dominado por mensagens de texto, e-mails e contacto virtual, a atenção sobre a escrita diminuiu significativamente. Habituamo-nos a escrever tudo num teclado, desde listas de compras a objetivos para um novo ano... se queremos rascunhar um texto, usamos as notas do telemóvel e acabamos por nem pôr como opção escrever numa folha de papel. Perdemos a prática do envio de cartas e são raros os post-its deixados no frigorífico.

A verdade é que, apesar da escrita ser uma parte essencial na formação de um indivíduo, não podemos contrariar os avanços tecnológicos, mas sim combater uma troca desnecessária e alertar para os benefícios da prática manual.

Há uma certa tendência a desvalorizar a escrita à mão, mesmo que vários estudos comprovem que esta é a melhor maneira de aprender a escrever. Talvez não seja novidade que esta prática estimula mais o cérebro, desenvolve áreas como o planeamento e o controlo motor e une a zona da visão e da linguagem, originando as palavras escritas, segundo os nossos estímulos visuais. Existe realmente uma forte ligação ao nosso desenvolvimento cognitivo porque quando estamos a escrever são ativados mais centros do nosso cérebro, ligados à linguagem e ao pensamento. Escrever à mão desperta a parte criativa, impulsiona o pensamento e cultiva uma identidade ao texto impossível de desenvolver quando estamos em frente a um computador.

Quando trabalhamos a caligrafia, habilidades como o nosso raciocínio e memória são desenvolvidos a par de vários músculos e articulações, provando que há uma maior atividade neural quando estamos a escrever no papel. No fundo, a nossa caligrafia é muito mais do que uma simples competência motora. O processo cognitivo de ler está conectado com o processo motor que forma as palavras, enquanto que a linguagem oral e escrita está relacionada com a concentração, simplesmente porque quando formamos letras, estamos a trabalhar a mente e a desenvolver habilidades como a atenção.

Valorizar a escrita à mão contribui para uma aprendizagem mais rápida e uma construção de hábitos de leitura que não eram possíveis de outra forma. Para além de nos ajudar a memorizar algo, obriga-nos a focar no essencial e a reter conceitos com mais facilidade.

Ainda assim, não faria sentido incentivarmos a regressão, mas pensamos que seja importante tomar consciência de que, por vezes, a forma mais prática nem sempre é a que traz mais benefícios para o nosso desenvolvimento. Uma dica: ande sempre com um bloco de notas na carteira. E não, não nos referimos ao seu telemóvel!