Transforme a sua marca numa pessoa

Transforme a sua marca numa pessoa

Paula Sá
2018-05-11
Regra fundamental, nem sempre aplicada, de uma marca: ser vista como pessoa. Se isto lhe parece estranho, temos um aviso: não deveria parecer.

O mundo evoluiu, o mercado também e a individualidade e a originalidade são cada vez mais apreciadas e valorizadas nos negócios. É importante falarmos de “um para um”, em vez de uma marca para um conjunto de pessoas, como se fazia em tempos anteriores.

Para que isto funcione, devemos definir duas coisas:

a) a personalidade da nossa marca

b) para quem estamos a falar

Quando dizemos “definir”, estamos a falar de um trabalho minucioso, detalhado, rigoroso e completo. Para o ajudarmos, vamos explicar, passo a passo, como isto deve ser feito.


A personalidade da marca


Quando lhe pedem para se descrever enquanto pessoa, poderá ser difícil. Mas quando está a construir uma marca, a decisão é sua. Como quer que ela seja? Divertida e informal? Séria e informativa? Conselheira? Sarcástica? Pense na sua marca como um ser humano e idealize-o. Isto vai ajudá-lo a ter uma identidade distinta e fácil de identificar. Vai ser útil para perceber qual é o público que se identifica com a sua marca e vai permiti-lhe ter uma comunicação mais coerente e clara. 


Reunimos algumas questões, para tornar o seu trabalho divertido e eficaz:

Como se chama?

Qual é o seu objetivo?

Quais são as suas principais características?

Quem são os seus amigos?

Qual é o tipo de linguagem que utiliza?


Exemplo 

Como se chama? Super Bock

Qual é o seu objetivo? Estar presente em bons momentos, que sejam divertidos e rodeados de amigos

Quais são as suas principais características? É divertida, gosta de tardes ao sol e de grandes noitadas, o seu lugar preferido é à beira-mar, e lembra-se SEMPRE das datas importantes

Quem são os seus amigos? Pessoas com espírito jovem, que gostem de festas, que percebam piadas inteligentes, que sejam cultas e que apreciem um estilo de vida descontraído

Qual é o tipo de linguagem que utiliza? Informal, carismática, próxima, tranquila, motivadora 


PARA QUEM ESTAMOS A FALAR


Vai querer conhecer bem o seu cliente-tipo. Isto vai ajudá-lo a perceber a melhor forma de falar com ele e de o conquistar, assim como a prestar um melhor serviço. Mas não fique pela generalidade; vá até ao fundo da questão e queira conhecê-lo, como se se tratasse de um amigo.


Questione:

Dê-lhe um nome!

Que idade tem?

Onde vive?

Quais são os seus interesses?

Quais são as suas maiores qualidades?

E os defeitos?

Qual é o seu dia-a-dia?

Como gosta de ser tratado?


Responda:

Dê-lhe um nome! João

Que idade tem? 24

Onde vive? Aveiro

Quais são os seus interesses? Ir ao cinema, sair sábado à noite, lanchar com os amigos, fazer surf

Quais são as suas maiores qualidades? É espontâneo, divertido, sincero e amigo dos seus amigos

E os defeitos? É preguiçoso, desarrumado e muito distraído

Qual é o seu dia-a-dia? Está a acabar a faculdade e costuma estar com os amigos ao final da tarde. Tem um part-time que não lhe ocupa muito tempo. É o lifestyle típico de um jovem, tranquilo e divertido

Como gosta de ser tratado? De forma informal, sem invadirem o seu espaço


Isto vai ajudá-lo a humanizar a sua marca e a relação que tem com o seu cliente. Por exemplo, será mais intuitivo criar ações que o vão aproximar do seu público. Prever que o seu potencial cliente gosta de fazer surf irá lembrá-lo de fazer alguma ação relacionada com pranchas de surf ou com surfistas reconhecidos, por exemplo.


Lembre-se que esta associação entre a marca e as características humanas tem de fazer sentido.  Se o seu ramo for na área da saúde, não é coerente usar uma linguagem informal.